Aqui você pode pesquisar e adaptar planos já existentes

 


Vivências teatrais

Publicado por 
novaescola
Objetivo(s) 

- Compreender os conceitos básicos da linguagem do teatro. 
- Participar de experimentações práticas de caráter lúdico. 
- Conscientização corporal. 

Conteúdo(s) 

- Contação de histórias.
- Jogos populares e dramáticos.
- Improvisações livres e regradas.
- Apreciação e protocolo.

Ano(s) 
Tempo estimado 
Seis meses.
Material necessário 

Maquiagem, caderno de anotações, objetos diversos para uso nas improvisações, um aparelho de CD e CDs diversos.

Desenvolvimento 
1ª etapa 

odos os encontros são compostos de aquecimento, jogos e brincadeiras, improvisações, apresentação de cenas e leitura e apreciação de protocolo.

Aquecimento 
Explicar à garotada que o aquecimento desperta, leva à conscientização corporal e evita machucados na hora dos exercícios. Opções: siga-o-mestre, pular corda, corre-cutia e exercícios de alongamento. Use música e proponha um relaxamento no fim. 

 

2) Contar histórias. Você diz uma frase e os estudantes vão alimentando o enredo. 

Improvisações
Abra a possibilidade de os alunos vivenciarem diversos papéis dentro de uma situação dada por você ou sugerida por eles. Pode ser algum fato ocorrido na escola recentemente e que tenha despertado a atenção deles ou uma notícia publicada em revistas ou jornais, por exemplo, e que trate de um tema que você ache adequado explorar. Para isso, eles respondem às seguintes questões: o quê? Quando? Onde? Por quê? Com base nesse panorama formado, criam-se pequenas cenas com começo, meio e fim.


Apresentação de cenas
Além da apresentação para todos os colegas dos esquetes concebidos durante as improvisações, essa etapa inclui conversas sobre as aulas e apreciação das cenas dos colegas.

Leitura e apreciação de protocolo
O protocolo é uma forma de registro (escrito, plástico, musical) que possibilita uma maior reflexão sobre o processo. Cada um lê seu diário de bordo, em que escreve, desenha e anota as músicas utilizadas durante as aulas e o que tem observado, sentido e percebido das atividades.

Avaliação 

Nos dois últimos meses, incentive os estudantes a montar uma apresentação. Vale elencar as cenas de que mais gostaram durante o processo de apreciação e refazê-las - dessa vez, construindo um pequeno cenário e usando figurinos -, escolher um texto curto e criar algo coletivamente para apresentar aos pais e colegas de toda a escola.

Flexibilização 

Espaço

  • Garanta rampa de acesso, espaço para cadeira de rodas, andadores ou muletas.
  • Peça a orientação dos especialistas ou da sala de recursos sobre o transporte do aluno com deficiência.
  • Garanta mobilidade para o cadeirante participar das atividades. Providencie cadeiras para que os colegas de grupo fiquem sentados como ele ou os apoios necessários, como colchonetes e almofadas, para que ele se sente no chão.

Conteúdos 

  • Mostre a importância da participação dele. Na brincadeira de corre-cutia, um amigo empurra a cadeira de rodas, enquanto o cadeirante lança o lenço. Quem tiver paralisia de membros inferiores pode bater a corda. Na dança das cadeiras, dê a ele uma função necessária e valorizada, como controlar a música.
  • Eles devem ser relacionados às competências apresentadas pelo aluno. Agilidade só com membros superiores e com a cadeira, ritmo com o tronco etc. Pontos como a prontidão e a desinibição devem ser estimulados e apreciados como todos no grupo.

 

 

Créditos:
Rosana Maris
Formação:
Atriz, arte-educadora e coordenadora do grupo de teatro do Colégio IL Peretz, em São Paulo, SP
Créditos:
Daniela Alonso
Formação:
Consultora na área de inclusão e selecionadora do Prêmio Victor Civita - Educador Nota 10.
Autor Nova Escola

COMPARTILHAR

Alguma dúvida? Clique aqui.