Aqui você pode pesquisar e adaptar planos já existentes

 


O ciclo do Ouro no Brasil

Publicado por 
novaescola
Objetivo(s) 

Compreender as transformações na América Portuguesa a partir da descoberta e exploração do ouro. Analisar as transformações ocorridas tanto nas relações coloniais deste período, como as mudanças no território e na dinâmica populacional geradas pela descoberta de metais preciosos nas Minas Gerais.

Ano(s) 
Tempo estimado 
Seis aulas
Material necessário 

Mapas do Brasil nos século XVI e XVII; mapa do Tratado de Tordesilhas, mapa do Tratado de Madri e mapa da exploração do ouro (Ver site do IBGE); Aquarelas de Carlos Julião, disponíveis no site Projeto Tráfico de Escravos da Biblioteca Nacional; imagens, fotos ou desenhos das cidades mineiras de Ouro Preto, Mariana, São João Del Rei, Tiradentes, Sabará, entre outras, disponíveis em livros, revistas e internet.

Desenvolvimento 
1ª etapa 

Demonstrar aos alunos, a partir da exibição dos mapas, as transformações ocorridas no território colonial português entre os séculos XVI e XVIII. A comparação entre os mapas deve ser focada para que a turma perceba as diferenças entre eles e busque explicações para essas mudanças. Deve-se destacar aos alunos o processo de interiorização do Brasil e o avanço dos colonizadores pelo sertão, inicialmente limitados ao litoral.

A observação entre os mapas do Tratado de Tordesilhas e o Tratado de Madri servirá para demonstrar o avanço rumo ao interior feito pelos bandeirantes, missionários, criadores de gado e pelo próprio Governo português, destacando o objetivo sempre presente de localizar metais preciosos.

O importante desta atividade é deixar que os alunos busquem interpretações para as diferenças nos mapas e os motivos que levaram esse avanço pelo interior da América Portuguesa. Sobre o tratado de Madri, destacar o princípio de uti possidetis (usucapião), direito de posse sobre a terra ocupada.

2ª etapa 

2° Aula
Entendido o processo de interiorização da Colônia, mostre o mapa que destaca a localização e exploração do ouro, identificando as primeiras vilas e povoados que surgiram com o início da exploração mineradora. Discuta a mudança do eixo econômico do litoral para o interior, demonstrando o aumento populacional da região destacada, tanto pelo deslocamento dos colonos de outras regiões do Brasil, quanto pelos reinóis, atraídos pela possibilidade de enriquecimento.

A consolidação de um mercado interno na colônia também deve ser lembrada, pois a produção e fornecimento de mercadorias e suprimentos das demais regiões da colônia para a região das Minas favoreceu um crescente comércio.

Comentar sobre a vida do pintor, desenhista e aquarelista Carlos Julião (1740-1811) e exibir para os alunos as imagens das aquarelas que registram cenas do cotidiano e do trabalho escravo, especialmente sobre a extração mineral (Serro Frio, Extração de diamantes e Escravos britadores), disponíveis no site da Biblioteca Nacional em parceria com a UNESCO. Apesar das aquarelas serem sobre a extração de diamantes, elas simbolizam de forma geral a organização do trabalho escravo e extração mineral. Interrogar os alunos sobre as aquarelas; pedir que eles descrevam as imagens que estão vendo; perguntar se eles conseguem identificar quem eram os trabalhadores apresentados nas imagens. Quais elementos sobre as relações de trabalho e a atividade mineradora podem ser identificados através das imagens representadas nas aquarelas?

3ª etapa 

Solicite aos alunos que se dividam em grupos. Peça para que pesquisem imagens ou fotos atuais sobre as cidades fundadas no período da mineração. O ideal é que cada grupo fique com uma cidade para que não ocorra uma repetição de imagens. Eles devem ser orientados a buscarem imagens que demonstrem as riquezas deixadas pela mineração nestas cidades, identificando o nome do local em cada uma das imagens: se uma igreja, qual; se um casarão, por quem foi habitada; se uma praça, qual o nome; se uma ladeira, indicar o nome; se um chafariz, qual.

Os estudantes deverão montar um histórico das cidades que pesquisaram, a ser apresentado junto com as imagens encontradas. Essa atividade deve ser orientada, o que propiciará ao professor iniciar com os alunos a discussão sobre patrimônio histórico e a importância da preservação.

4ª etapa 

Apresentação das pesquisas. Se os alunos optarem por imagens impressas, feitas a partir de recortes de jornais, livros e revistas, eles poderão elaborar um painel em cartolina para apresentarem aos colegas. Caso exista alguma dificuldade em localizar imagens impressas, a pesquisa poderá ser feita utilizando-se a internet, porém, os alunos precisarão de meios para a exibição das imagens digitais, como um computador e Data Show.

Avaliação 

Na primeira, segunda e terceira etapa, analise a interação e os questionamentos feitos na comparação dos mapas e na interpretação das aquarelas, assim como a capacidade dos alunos em elaborar explicações próprias a partir do conteúdo já estudado. Na quarta e quinta etapa, avalie a capacidade de organização, o trabalho em equipe e a qualidade das informações e das imagens apresentadas sobre as cidades pequisadas.

Autor Nova Escola
Créditos:
Leandro Pereira Matos
Formação:
Mestrando em História na Universidade Federal de Juiz de Fora - Minas Gerais, professor da EM Antônio Carlos Fagundes

COMPARTILHAR

Alguma dúvida? Clique aqui.