Aqui você pode pesquisar e adaptar planos já existentes

 


A influência tupi na formação do nosso vocabulário

Publicado por 
novaescola
Objetivo(s) 

Identificar a influência tupi na formação do nosso vocabulário

Conteúdo(s) 

 





 

 

 

 

Ano(s) 
Material necessário 

Reportagem da Veja:

 

Desenvolvimento 
1ª etapa 

Introdução

Durante metade da nossa história, os habitantes do território brasileiro usaram mais a língua tupi do que o português para se comunicar. Em regiões mais afastadas dos centros administrativos da colônia, especialmente em São Paulo e toda a Amazônia, não era surpresa encontrar, há 300 anos, brancos e índios usando termos como itororó para se referir a bica d¿água, ou chamando os meninos de curumins. A reportagem de VEJA informa que, em pleno século XXI, grupos indígenas de vários pontos do país estão reaprendendo a falar o idioma de seus antepassados e, com isso, reafirmam a própria identidade. O texto oferece um ótimo ponto de partida para você analisar com a turma a influência do tupi em nosso vocabulário cotidiano e na literatura nacional.

Leve para a classe dicionários da língua portuguesa e de tupi (veja as indicações no final deste roteiro). Providencie cópias da letra da canção do quadro abaixo e distribua para os estudantes.

Fale com a classe sobre a influência de termos de origem indígena no nosso vocabulário. Para introduzir o assunto, leia o glossário abaixo. Então peça que a turma puxe pela memória e cite outros exemplos. Explique que, por motivos históricos, somos profundamente marcados pela cultura indígena. Nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, por exemplo, essa influência se manifesta até no fenótipo das populações.

2ª etapa 

Oriente a leitura da reportagem e peça a opinião dos jovens sobre a retomada do ensino do tupi no Brasil. Ouça os comentários e ressalte a informação de que, no Nordeste, o número de grupos que se declaram indígenas passou de dezesseis para 47 nos últimos 25 anos. Não é legítimo que essa gente tenha direito a retomar as origens lingüísticas e culturais? Lembre que o papel do indígena na sociedade brasileira ainda é marcado pelo preconceito. Cite como exemplo o assassinato do pataxó Galdino, ocorrido em Brasília em 1997. Lembre que cinco adolescentes ricos atearam fogo ao índio e depois justificaram a barbárie como tentativa de assustar um mendigo. Será que o episódio alterou o tratamento concedido aos índios? Ou eles são mesmo alheios ao desenvolvimento econômico, só por tentar manter tradições antigas num mundo em rápida mudança? Oriente a reflexão sobre a seguinte questão: é importante para a cultura nacional que existam índios em pleno século XXI? Peça que todos justifiquem a resposta.

3ª etapa 

Divida a turma em três grupos. Solicite que o primeiro faça um levantamento de expressões de origem tupi que fazem parte do nosso dia-a-dia. É interessante que os adolescentes perguntem aos colegas o significado de cada termo, ouçam os comentários e em seguida apresentem as explicações corretas.

Encarregue a segunda equipe de pesquisar e apresentar aos demais uma síntese das obras literárias de autores como o José de Anchieta (poemas e peças teatrais), José de Alencar (Iracema, O Guarani e Ubirajara), Gonçalves Dias (I Juca-Pyrama) e dos modernistas Mário de Andrade (Macunaíma) e Raul Bopp (Cobra Norato). Os alunos devem enfatizar a influência da língua tupi e das culturas indígenas no trabalho desses escritores. Se houver oportunidade, incentive a organização de jograis ou peças de teatro com base nos textos lidos.

O terceiro grupo deve listar palavras de origem tupi e de outras línguas indígenas que nomeiam cidades e acidentes geográficos brasileiros. Estimule os estudantes a fazer estatísticas dos dados ¿ tais como maior ou menor influência lingüística em cada região.

Para concluir, organize uma oficina de redação. A idéia é estimular a produção de textos que apresentem, em boa medida, termos de origem indígena. Faça um aquecimento com a turma. Promova a audição da canção Querelas do Brazil e ajude a garotada a encontrar o significado dos termos desconhecidos.

Para saber mais

Glossário indígena
Jururu - do tupi xearu´ru (estar tristonho), triste, melancólico, acabrunhado, abatido
Catapora - do tupi tata´por (fogo que salta), designação vulgar da varicela
Nhenhenhém - do tupi nhee nhee nhee (falar, falar, falar), resmungo, resinga, falatório interminável
Peteca -  do tupi pe´tek (bater), pequena bola achatada e leve, feita de couro e guarnecida de penas longas reunidas em molho, e que se lança no ar com as palmas das mãos
Pindaíba - do tupi pinda (anzol) + ywa (vara), corda feita de palha de coqueiro. Termo usado para expressar falta de dinheiro
Siri - do tupi si´ri, designação comum a todas as espécies de crustáceos decápodes, branquiúros, da família dos portunídeos, caracterizados por terem nadadeiras no último par de pernas

 

Avaliação 

Oriente uma série de entrevistas sobre o nível de informação da comunidade, ou de todo o município, sobre a influência do tupi na língua portuguesa. Oriente os adolescentes a conversar com pessoas de diferentes extratos sociais e procedências. Por exemplo: jovens ou adultos de classe média urbana, habitantes da zona rural, estudantes universitários e, claro, representantes de comunidades indígenas. Os resultados podem ser apresentados em forma de seminário.
 

Para ler e cantar

Querelas do Brazil
Maurício Tapajós e Aldir Blanc

O Brazil não conhece o Brasil
O Brasil nunca foi ao Brazil
Tapi jabuti liana alamandra alialaúde
Piau ururau akiataúde
Piá-carioca porecramecrã
Jobimakarore jobim-açu
Uô-uô-uô
Pererê camará tororô olerê
Piriri ratatá karatê olará
O Brazil não merece o Brasil
O Brazil tá matando o Brasil
Jerebasaci caandrades cunhãs ariranharanha
Sertões guimarães bachianas águas
Imarionaíma ariraribóia
Na uaura das mãos do jobim-açu
Jererê sarará cururu olerê
Blá-blá-blá bafafá sururu olará
Do Brasil, S.O.S ao Brasil
"Tinhorão" urutu sucuri
Ujobim sabiá bem-te-vi
Cabuçu cordovil cachambi
Madureira olaria ibangu
Cascadura água santa acari
Ipanema inovaiguaçu

 

 

 

 

Autor Nova Escola
Créditos:
Eduardo Navarro
Formação:
Professor de Tupi da Universidade de São Paulo

COMPARTILHAR

Alguma dúvida? Clique aqui.