Aqui você pode pesquisar e adaptar planos já existentes

 


A ação das drogas no organismo humano

Publicado por 
novaescola
Objetivo(s) 

Estudar os mecanismos de ação e os efeitos de drogas alucinógenas, depressoras e estimulantes no organismo.

Conteúdo(s) 
  • Composição química de psicotrópicos
  • Fisiologia do corpo humano

 

Ano(s) 
Tempo estimado 
Duas aulas.
Material necessário 
  • Cópia da reportagem Os Filhos do Crack (VEJA 2414, 25 de fevereiro de 2015), disponível no Acervo Digital de VEJA a partir de 27 de feveeiro de 2015.
  • Cópia da reportagem Nu, Cru e Sem Retoques (VEJA 2210, 4 de abril de 2011)
Desenvolvimento 
1ª etapa 

Introdução 

A reportagem Os Filhos do Crack fala sobre o crack, uma droga extremamente potente, cerca de cinco vezes mais do que a própria cocaína. Ela relata a história da luta de uma usária, mãe de um bebê de sete meses, contra a dependência. O texto suscita um debate sobre o que essas substâncias químicas provocam no organismo e quais riscos à saúde podem estar relacionados ao uso indiscriminado delas.

Comece a aula com a leitura de Os Filhos do Crack e, em seguida, de Nu, Cru e Sem Retoques, que traz detalhes da história de um agente literário que torrou 70 mil dólares em drogas em apenas três dias. Em seguida, converse com a turma sobre os variados tipos de drogas, quais são as lícitas e quais são as ilícitas. Aproveite, para isso, o plano de aula Desvendando as drogas.


Questione os estudantes sobre a ideia eles têm a respeito das seguintes drogas: cocaína, crack, maconha, opiácios, ecstasy e anfetaminas. Esclareça que o mais importante não é apenas saber que todas essas substâncias são drogas, mas, sim, o que cada uma pode causar no organismo humano.

Use como exemplo o crack. Conte à classe que atualmente vemos muitos folders, cartazes, outdoors e propagandas televisivas com o slogan "crack, nem pensar". Ao mesmo tempo, no entanto, o consumo da droga no Brasil tem se espalhado de maneira incontrolável. As estatísticas apontam para mais de um milhão de usuários. Isso se deve ao fácil acesso a esta droga, às "cracolândias" e ao preço baixo. Questione a classe, então, sobre a eficiência das campanhas de prevenção ao consumo da droga.

Inclua no debate, também, a gravidade da dependência ao crack. Explique que, com algumas doses -  às vezes, até no primeiro contato - o usuário pode tornar-se viciado. Deste modo, o crack vem se alastrando nas mais variadas camadas sociais como se fosse um rastilho de pólvora. Diga à turma que o dependente da droga, após algum tempo de uso, continua a consumi-la para fugir do desconforto da síndrome de abstinência - a depressão e a ansiedade, comuns a outras drogas estimulantes.

Como resultado do debate, faça no quadro uma tabela com as principais características do crack. Aproveite o modelo abaixo.
 

O que é? Quais as reações? O crack e o organismo Por que é uma droga mais forte? Consequências e dependências
É uma mistura de cocaína em pó, bicarbonato de sódio ou amônia e água destilada, o que resulta em grãos bem pequenos, que podem ser fumados. Aumento na pressão arterial, tremor muscular e excitação acentuada, aceleração dos batimentos cardíacos, dilatação das pupilas, sensações de aparente bem-estar, suor intenso, etc. O crack pode levar à morte. A grande concentração da droga no Sistema Nervoso Central (SNC) pode  ocasionar lesões irreversíveis no cérebro. O crack faz com que a dopamina, responsável pelas sensações de prazer no corpo, euforia e excitação, permaneça por um tempo maior. Em altas concentrações, pode provocar sintomas paranóicos. Para continuar com todas essas sensações, o usuário utiliza com maior frequência e em maior quantidade. A detecção da ausência do crack no organismo vem a cada 15 minutos. Esta dependência incontrolável leva a depressão, ansiedade, comportamento violento, etc.

 

Para concluir a aula, solicite que a turma se divida em grupos e realize uma pesquisa no formato da tabela acima. Cada grupo deve eleger uma droga alucinógena, uma estimulante e uma depressora e ir atrás das informações solicitadas.

2ª etapa 

Comece a aula com a apresentação da pesquisa feita pelos alunos. Assista atenciosamente cada apresentação, intervindo quando necessário com perguntas e explicações referentes a cada tipo de droga. Após a apresentação, mostre para a classe duas animações encontradas no site da Universidade de Utah: Mouse Party (mostra o mecanismo de ação das drogas nos sistemas moleculares) e Drugs of Abuse (mostra as reações do organismo após o consumo de determinada droga).

Como as animações estão em inglês, a medida que for mostrando-as para a garotada, explique o que está acontecendo com os neurotransmissores, como o organismo funciona na ausência da droga e na presença da mesma. Por exemplo: quando for mostrar o mecanismo de ação da maconha (droga mais conhecida e utilizada) explique que o químico ativo dessa droga é o THC, muito semelhante a uma substância endógena do nosso organismo, a anandamida. Essa substância atua bloqueando canais nas células pelos quais passam neurotransmissores inibidores da liberação da dopamina (neurotransmissor relacionado à sensação de prazer). A anandamida possui uma ligação fraca com o canal pelo qual os receptores inibidores saem, porém o THC possui uma ligação forte, consequentemente, permitindo que grandes quantidades de dopamina sejam liberadas. Mostre e explique também as diferenças entre o mecanismo de ação de uma droga depressora (por exemplo, o álcool) e de uma estimulante (por exemplo, as anfetaminas).

Avaliação 

Para avaliar a turma, socilite que os alunos façam uma tabela individual relacionando as diferentes drogas estudadas.

Créditos:
Micheli Bordoli Amestoy e Cláudia Sirlene de Oliveira
Formação:
do Centro de Ciências Naturais e Exatas da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Rio Grande do Sul.
Autor Nova Escola

COMPARTILHAR

Alguma dúvida? Clique aqui.